Geosciences Hackathon - dia 1

Depois de muitas desventuras ocorridas no dia anterior, quando desembarcamos em Calgary, no dia 01 de maio de 2015 chegamos ao Global Business Center para participar pela primeira vez de mais uma edição do Geosciences Hackathon. Para quem não conhece o termo, Hackathon é associado a maratonas de programação com o objetivo de construir protótipos de aplicativos para celular ou hospedados na web.

Após as devidas apresentações nos sentamos em frente aos laptops para a primeira fase da maratona, o Bootcamp. No entanto, nossa concentração foi interrompida pelo soar do alarme de incêndio. Este era apenas mais um sinal de que nossa chegada à Calgary seria marcada por muitas emoções e surpresas. Precisamos evacuar o prédio e aguardamos a operação do corpo de bombeiros. Nada menos do que três caminhões de combate a incêndio foram providenciados rapidamente. Alarme falso. Há 12 anos os alarmes de incêndio do prédio não eram acionados. Só pra constar.

Voltamos à sala de aula e Matt Hall começou sua apresentação sobre os objetivos do evento e, em seguida, separou a turma em grupos. Introdução ao Python para aqueles que não conheciam a linguagem e, para os mais experientes, introdução à programação de Web Apps, guiada por Ben Bougher. Meu primeiro contato com o Python foi muito positivo. Matt já havia preparado um Notebook com alguns exercícios relacionados à impedância acústica, o que me ajudou bastante a associar programação com problemas geofísicos.

Ao final do dia, todos já tinham pelo menos noções básicas de como criar variáveis e como realizar operações matemáticas - iterativas ou através de matrizes. O primeiro passo já havia sido dado, com a ajuda de Matt e Ben o que parecia ser, em um primeiro momento, assustador foi aos poucos se transformando em algo palpável e incrivelmente simples. Nem o meu inglês macarrônico tirou o bom humor e gentileza deste dois excelentes profissionais.

Um recado para os brasileiros que deixam de participar de eventos internacionais por não conseguirem falar inglês: se você nunca se arriscar, nunca vai aprender. Portanto, confie na sua capacidade intelectual e participe. Falar fluentemente é fantástico mas, não ser fluente não é uma barreira tão grande quanto se imagina. Eu não sou fluente AINDA mas de tanto insistir uma hora eu consigo.

Continua no dia 2…


Sobre a autora



Comments